sábado, 24 de setembro de 2016

Mais 7 RPGs Estratégicos que Você Deveria Conhecer


Olá pessoal! Faz um bom tempo que não apareço por aqui, em? Até achei que ia me esquecer do caminho de volta, mas eis que voltei. Nesses longos meses longe do blog, longe de escrever, passei refletindo muito, pensando se eu realmente gostaria de voltar com isso aqui. Mas, como tudo na vida depende de tempo pra ser assimilado, esse tempo que dei pro blog só me fez bem. Sim, o aniversário de 7 anos do blog passou em branco (foi em julho), jamais me perdoarei por isso, mas, pra compensar isso, a postagem especial para esta data está sendo preparada e acredito que muitos vão gostar.

Pois bem, o Shugames voltou, cheio de planos, cheio de novidades, com muita coisa planejada para ir acontecendo aos poucos por aqui. Muita coisa vai mudar, mas muita coisa também vai ser apenas melhorada. Algumas coisas serão excluídas e outras acrescentadas, por isso eu gostaria da compreensão de todos. É uma espécie de faxina e reforma que será feita aqui, pois do jeito que estava não dava pra continuar.

Sim, os reviews vão continuar, os guias completos também e os especiais idem. Todo o resto fora disso, muito provavelmente será limado em prol de novas matérias e idéias que serão postas em prática aos poucos. Minha idéia central é integrar o blog aos parceiros cada vez mais, contando com a participação de todos por aqui.

Bom, chega de enrolação, para o pontapé inicial, resolvi falar sobre mais 7 RPGs táticos que talvez nem todos conheçam, uma espécie de continuação daquela matéria que postei faz quase um ano no blog e que muita gente gostou! Bom, é isso, espero que todos aproveitem a nova fase do Shugames e, como sempre digo, vamos tocar o barco!


Já vai fazer quase um ano da última vez que falei aqui sobre 7 jogos de RPG tático que eu recomendaria vocês jogarem. Com a volta do Shugames aos trilhos, estou voltando também com mais um post destes, onde eu mostro mais 7 jogos que os amantes de uma boa partida cheia de estratégia podem se deliciar! Não são jogos muito conhecidos (tá, talvez uns 2 ou 3 até sejam), mas são jogos bem viciantes e muito bem feitos! Vamos à lista e espero que gostem mais uma vez!

7 - Vandal Hearts (Playstation)
Lançamento (USA): 1996

O sétimo jogo da nossa lista não é bem um totalmente desconhecido. Vandal Hearts foi lançado em 1996, pelas mãos da lendária Konami e fez um relativo sucesso, vindo a aparecer até mesmo em programas de TV (lembro dele em StarGame, do Multishow) e em revistas da época. Mas, contudo, não é um jogo muito conhecido e falado por essas bandas. O motivo pode ser um só: a dificuldade.

Vandal Hearts não é um jogo fácil. Nem um pouco, devo frisar. Ele tem os elementos que consagraram vários outros títulos lançados posteriormente, como cenário rotativo em 3D (como em Final Fantasy Tactics), personagens em sprites, cenários com objetos interativos e etc. Mas talvez o grande diferencial de Vandal Hearts seja sua mecânica de luta: você sempre vai ter uma party em desvantagem com o inimigo. Em nenhuma luta, nem mesmo na primeira delas, você estará em vantagem alguma, seja em número de guerreiros, seja na força dos mesmos ou até mesmo na posição do cenário.



Mesmo assim, Vandal Hearts cativa pela história envolvente, cheias de reviravoltas políticas, batalhas sangrentas e pelos personagens carismáticos. Aqui rola um negócio parecido com Shining Force, onde os personagens podem ser promovidos após alcançarem determinado level, podendo equipar novas armas e mudar a aparência no combate. Se resolver encarar a fera, prepare-se para combates difíceis, longos e muitas vezes injustos, mas que, unidos às qualidades que já citei, fazem de Vandal Hearts um RPG tático indispensável aos amantes do gênero que busquem um verdadeiro desafio.

6 - Tactics Ogre Let Us Cling Together (Super Famicom/Playstation)
Lançamento (JPN): 1995

Esta versão de Tactics Ogre saiu exclusivamente no Japão em 1995 para o Super Famicom, sendo portada em 1997 para o Sega Saturn (apenas no Japão também) e também para o Playstation, versão essa que ganhou o mundo. Ganharam também versões do jogo, os consoles PSP, Wii e WiiU. Mais recentemente, a versão original do Super Famicom ganhou um patch que a traduz para o inglês (usando como base a versão do Playstation), permitindo quem emula o Super Nintendo possa usufruir do jogo também.

Como game, ele lembra bastante Final Fantasy Tactics (que é de 1997), inclusive no seu visual. A jogabilidade também é similar, tendo o jogador controle dos seus personagens num ambiente isométrico, onde cada personagem é controlado por turnos, que são definidos separadamente. Diferente de alguns jogos do estilo, como Vandal Hearts, todos os personagens em batalhas tem turnos misturados de acordo com a velocidade e status do personagem, sendo assim, não existem turnos específicos entre jogador e CPU, por exemplo.



A história do jogo se passa 8 anos após as guerras e conflitos no reino de Valeria, onde 3 grupos distintos se erguem e clamam pelo poder da região. O enredo se desenvolve com o desenrolar de cenas inclusive entre as batalhas e no meio delas, tornando tudo mais orgânico e convincente. Algo similar pode ser notado também em Vandal Hearts. Tanto o visual quanto o som do game é bem agradável, apesar da dificuldade ser mais elevada do que em Final Fantasy Tactics.

5 - Valkyria Chronicles (Playstation 3)
Lançamento (USA): 2008

Eis que um jogo do PS3 aparece por essas bandas e não é um jogo qualquer! Sob as asas da Sega, a nova empreitada dela no campo dos RPGs táticos não poderia ser mais criativa e inovadora. Com um enfoque mais forte no enredo, misturando guerras políticas sob a ótica de reinos conspiradores, Valkyria Chronicles é um dos jogos mais bacanas de estratégia que pintaram nos últimos tempos. O game, que nasceu no PS3, recebeu inúmeras versões também no portátil PSP e no PS4, além de uma versão para os PCs.

Valkyria Chronicles é um jogo recheado de cutscenes de qualidade anime e o jogo se desenvolve de forma diferente da maioria dos RPGs táticos. De início, é preciso saber posicionar suas tropas no mapa, para só depois você poder andar com seu soldado e partir para os ataques, sempre buscando a melhor estratégia. Para tal, existem limites tanto para planejar as tropas quanto para caminhar pelo campo de batalha e é daí que toda a estratégia de Valkyria Chronicles nasce. Como o jogo é baseado em guerras com armas de fogo, atirar precisamente faz parte da estratégia e é o principal diferencial desse jogo para os demais dessa lista.



O enredo do game guarda muitas minúscias, principalmente com relação aos personagens. Tudo é muito bem construído e nota-se o empenho da Sega em fazer personagens carismáticos e que roubem a cena para si. A história também guarda momentos carregados de tristeza e ódio, denotando um produto com um enredo bem produzido. Vale realmente a pena, já que agora o game também está disponível para PCs e não é tão pesado.

4 - Bahamut Lagoon (Super Famicom)
Lançamento (JPN): 1996

Bahamut Lagoon saiu para o Super Famicom em 1996, data em que tanto Sega Saturn como Playstation já estavam no mercado recebendo jogos como Guardian Heroes, Nights e Dragon Force (SAT) e Resident Evil, Crash Bandicoot e Tomb Raider (PSX). Ou seja, naturalmente, Bahamut Lagoon passou quase invisível pelos donos do 16 bits. Agrega-se ao fato, ainda, o lançamento exclusivo no Japão, talvez causado também pelos fatores supracitados.

Sendo um jogo de RPG tático, focado em história e em menus de combate, quem não compreendesse japonês ficaria perdido logo nas telas iniciais. Mas, eis que, em 2002, o famoso grupo DeJap lança um patch que traduzia o jogo inteirinho para inglês, para o deleite de quem aguardava apenas a mudança regional de idiomas para poder aproveitar mais esta obra da Square.



Bahamut Lagoon é um jogo com uma história densa, focada numa guerra de reinos em ilhas flutuantes. Cada ilha era regida por seu dragão protetor, quando um time de guerreiros resolve se rebelar e criar uma resistência aos planos maléficos de dominação do vilão do jogo. As batalhas se dão em campos abertos, muitas vezes com o time dos inimigos sendo bem maior que o seu, o que implica numa estratégia de combate maior para vencer.

Uma das coisas interessantes do jogo são as magias: muitas delas influenciam no cenário da batalha, como o fogo queimando florestas ou o gelo congelando lagos e tornando acessível ou inacessível partes do terreno. É um agravante diferente e que pode mudar os rumos da batalha de uma hora pra outra. Por fim, o jogo conta com uma trilha sonora memorável, dos tempos onde a Square fazia coisas pra marcar gerações inteiras. Vale muito a pena.

3 - Rhapsody: A Musical Adventure (Playstation)
Lançamento (USA): 2000

Diferente da enorme maioria de RPGs táticos que já passaram por aqui, Rhapsody: A Musical Adventure, como o próprio nome entrega, é um RPG com um grande teor musical, seja no som, seja na jogabilidade e, principalmente, no enredo. Controlamos Cornet, uma orfã que usa uma espécie de trompete que dá vida à bonecos e marionetes, os quais ela pode controlar em seguida. A história gira em torno de Cornet salvar seu príncipe encantado, o que, por si só, já denota uma certa criatividade em fugir do lugar comum "herói salvando princesa e/ou o mundo".

Apesar do apelo até certo ponto infantil, Rhapsody brilha muito é na hora dos combates, completamente táticos, com grid de movimentos limitados e tudo mais que um RPG deste porte pede. Temos opções como MOVE, ATTACK e até magias bizarras, as quais Cornet conjura usando seu trompete para tal. Seus companheiros de party são sempre bonecos e bichos que ela própria vai recrutando durante a aventura.


Vale como curiosidade, já que este é o primeiro RPG tático da Nippon Ichi, famosa pela série Disgaea e tantos outros jogos do estilo.

2 - Luminous Arc (Nintendo DS)
Lançamento (USA): 2007

A Imageepoch, criadora de Luminous Arc, é famosa também por outros jogos, tanto dessa série quanto outros completamente diferentes, como por exemplo, o Yoshi New Island, também do NDS e outros jogos para PSP e PS3. Com Luminous Arc, a produtora buscou clara inspiração em Final Fantasy Tactics, já que o jogo todo lembra bastante o clássico da Square para o Playstation. Desde gráficos e sistema de combate, diferenciando-se obviamente no uso da stylus e das duas telas do NDS, o jogo todo transmite a sensação de estarmos jogando algo muito similar ao RPG da Square, mas tem lá suas qualidades e diferenças que merecem serem observadas.

A tela de cima mostra os status dos personagens, bem como dos inimigos e, na tela de baixo, o jogo em si, com o mapa e os personagens dispostos no mesmo. Tanto personagens como os inimigos podem acumular Flash Points, que permitem ataques devastadores que causam todo tipo de status no alvo, o que, por si só, agrega muita estratégia durante as batalhas. Além disso, a construção de relacionamento entre o personagem principal, Ash, com os demais é algo bem introduzido, sempre com diálogos e a opção de escolha de respostas entre eles. Isso adiciona muitas possibilidades ao enredo do game, fazendo sempre surgir coisas novas, personagens e diálogos interessantes.



Luminous Arc recebeu mais duas continuações no NDS, além de mais um título anunciado para o Playstation Vita, o Luminous Arc Infinity. Com certeza, se você gostou de Final Fantasy Tactics (o que é bem possível se chegou a ler até aqui a matéria), vai gostar de Luminous Arc.

1 - Shining Force 3 (Sega Saturn)
Lançamento (USA): 1997 (Scenario 1)

Eu sei que o post tem como teor jogos mais esquecidos e até desconhecidos do grande público, o que não é o caso da série Shining Force, bem reconhecida e cultuada. Mas, Shining Force 3 eu considero um capítulo à parte da série, uma trilogia que foi lançada exclusivamente no Sega Saturn, jogos com uma visão bastante ambiciosa e que, por pouco, não colocou tudo a perder no processo. Mas, essa história, fica pra uma outra oportunidade.

A Camelot, produtora da série Shining Force juntamente com a Sega, planejaram Shining Force 3 como um dos maiores projetos de um jogo de RPG tático de todos os tempos. Tudo foi meticulosamente pensado, desde a história, mecânica, gráficos e etc. Confesso que tenho saudade de ver um petardo desses e que são cada vez mais escassos nos dias de hoje. Pra começar, o jogo foi planejado para ser lançado em 3 partes, devido ao tamanho da história, que havia se tornado tão colossal que foi preciso dividi-la. Enfim, pra resumir, apenas 1 parte foi lançada fora do Japão, denominada Scenario 1, sendo que o Scenario 2 e 3 ficaram exclusivo em terras japonesas. Além disso, um quarto disco também foi lançado exclusivamente por lá, recheado de extras como imagens, músicas e até um criador de batalhas!



Enfim, Shining Force 3 não foge muito do conceito original da série: as batalhas ainda se dão em telas separadas do campo de batalha, com efeitos 3D bem bacanas no Saturn, como nas magias e ataques especiais. Tudo no cenário agora é em 3D, excetuando os personagens, ainda nos bons e velhos sprites. A história do jogo, que são 3 na verdade, envolvem muita política, guerras ideológicas, demônios renascidos e vingança. Como curiosidade, grupos de tradução já estão conseguindo quase finalizar o processo de tradução dos dois outros cenários, sendo que o terceiro já está em estágio bastante avançado e pode ser inclusive jogado, mas não está livre totalmente de bugs. Contudo, não há previsão de término do mesmo.

24 comentários:

  1. Stella Deus: Gate to Eternity de PS2 também é uma boa pedida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Stella Deus é ótimo realmente, ele já apareceu na primeira parte deste especial: http://shugames.blogspot.com.br/2015/11/7-rpgs-estrategicos-que-voce-deveria.html

      Excluir
  2. Bem vindo de volta!

    Ótimas sugestões!

    Minha sugestão: Não delete postagens, melhor reciclar o texto delas.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada será deletado, só não serão mais continuadas.

      Excluir
  3. Fiquei surpreso em você citar o Stargame da TV, eu também lembrei dele no momento em que vi VH.
    Valeu Cosmão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudades Stargame hehehe! Era aguardar ansiosamente pela quinta feira as 18:30 toda semana pra assistir!

      Excluir
    2. O que eu achava engraçado e legal ao mesmo tempo é que ele, o Cristiano Gualda, fazia questão de forçar a pronuncia exata das palavras em inglês, e como eu falava como era escrito muitas vezes não entendia o título de um game, só caia a ficha depois kkkkkkkkkkkk por exemplo, eu falava Castlevania (kastlevânia) como a gente fala normalmente, mas o Cristiano falaria "Kássouvênia", como de fato é kkkkkkkkkkk bons tempos de StarGame!

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    4. Primeiramente parabéns pelo post Cosmão, feliz que tenha voltado. Senti falta do Front Mission nesse tópico, principalmente o de SNES =) Agora que gostaria de comentar é sobre o StarGame, muito legal vocês lembrarem dele ^_____^ Bem lembrando isso Ulisses, ela fala inglês direitinho mesmo e inclusive a pronúncia correta de Crono Trigger. Bons tempos desse programa, fez 20 anos agora em 2016, mas ainda sinto saudade dele, incrível né?!

      Excluir
    5. Cristiano Gualda é um mito hahahaha!
      É HOOOORAA DE DEBULHAAAAARR!

      Excluir
    6. @Ivo
      Também sinto Ivo, e não é questão de nostalgia, o programa veio em uma época onde tudo estava acontecendo nos games aqui no Brasil e a internet não existia para nós. O programa certo na época exata! Por isso marcou.

      @Cosmão
      Essa frase é mitológica ashuahsua

      Excluir
  4. Tenho vontade de jogar o Vandal Hearts já tem um bom tempo, acho que vou fazer isso em breve hahahahaha... Curti o visual do Rhapsody: A Musical Adventure, acho que vou dar uma chance pra ele também hahahahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai de cabeça no VH, recomendo bastante!

      Excluir
  5. Dessa lista apenas joguei brevemente o Shining Force III. Um dia vou tirar paciência pra terminá-lo além do Bahamut.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joguei pouco de Shining Force 3 tbm, preciso dar mais atenção à ele!
      Valeu a visita Doc!

      Excluir
  6. E ai Cosmão beleza kra pensei que você tinha desistido do blog todo sabado eu acessava para ver se tinha algo novo.Ainda bem que voltou gostei desse post sobre rpgs táticos conheços todos eles.Joguei as alguns deles mas só zerei um que foi o Rhapsodya.
    Mas ai espero que continue com o blog e não vejo a hora de ver as novidades que viram.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quase desisti, mas estou de volta e pretendo tocar o blog por um bom tempo ainda! Novidades bacanas devem surgir sim, obrigado pela visita de sempre "aki é rock"!

      Excluir
  7. Que bela surpresa neste sábado!

    Desta lista, só joguei e também recomendo o Bahamut Lagoon, por sinal tenho um save parado há uns 2 meses aqui que preciso continuar. Quando eu finalizei este jogo pela primeira vez eu fiquei triste rsrsrs tamanho vício.

    Você sabe que o Shugames é um patrimônio para nós gamers, retrogamers e afins né? Conheci e continuo conhecendo muitos jogos através do blog.

    Abraço.

    LGD Retrogamer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita LGD, fico feliz em saber que o Shugames é tão querido.

      Excluir
  8. já zerei Bahamut Lagoon. era legal você criar o seu dragão por lá. se bem criado (dando itens para ele comer, além de outras coisas) os seus dragões ficaria tão overpower que vencem o ultimo boss do game sozinhos, assim como eu consegui. parece que foi um dos ultimos rpgs da square no SNES. Luminous Arc é excelente!! mas tenho de zerar o Valkyrie Profile Covenant of Plume no NDS primeiro. e Tatics Ogre Lets us Climb Together (ponha uma referência a banda Queen aqui) Cosmão, está na lista também. mas só de imaginar que ele é como um FFTatics, já começo a chorar pela dificuldade que será de terminar esse jogo. no mais , boa matéria!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que interessante esse lance de alimentar o dragão, não fui muito longe no jogo pra conhecer isso, preciso dar uma atenção pra ele!
      LUCT é realmente bem difícil, como curiosidade, ele tem um modo 2 players versus, onde dá pra controlar uns monstros e fazer combates.

      Excluir
  9. Shugames voltou! Da outra lista dei uma chance pro ótimo Journey West e o fodástico Bridandine!Dessa vez eu me adiantei e tô "rejogando" Tactics Ogre (PSP): Até o fundo do Hellgate! Abs...

    ResponderExcluir
  10. Cosmão, durante esse tempo devo ter aberto o shugames umas 30 vezes pra ver se tinha postagem nova haha. Que bom que voltou.
    O rpg tatico é um genero que eu ainda não me aproximei muito ainda e graças a primeira parte desse tema, me convenci a dar uma chance a ele, apesar de eu ainda não ter jogado nenhum xD. Fora isso, outro belo post, só aumentando ainda mais minha lista.

    ResponderExcluir
  11. Vandal Hearts 2 também é excelente!

    ResponderExcluir